terça-feira, 20 de outubro de 2009

Quem foi que disse?


Novamente fuçando no Orkut(sim, eu sei, já prometi parar com as drogas, mas...) parei numa comunidade e comecei a ver um post que começava com um papo mais ou menos assim...

"Conversei com um cara que não posso dizer o nome e ele me disse que..." e lá vem uma besteira absurda. Mais para frente, outro cidadão vem com outra pérola:
"ouvi alguns boatos por aí e eles diziam..." e a partir daí qualquer baboseira vira fato!

Ah, dá um tempo!!!

Vem cá, pergunto a você que está lendo, se alguem disesse "ei, me disseram que você roubou uma coisa de uma loja", você não ia exigir o nome da pessoa? Ou se chegasse a notícia que o salário mìnimo foi decuplicado, você não ia querer saber quem era a fonte da informação?

É impressionante o número de pessoas que vem com o papinho idiota "ah, mas não posso dizer, pois pode queimar o cara!" Queimar como? O cara é detentor de um grande segredo industrial que vai dar milhões de prejuízo a uma mega-corporação? Bem, então, com certeza, não estamos falando do cenário nacional de RPG...

Neste nosso nicho que é o RPG brazuca, não é difícil trocar idéia com os maiores autores nacionais de RPG, seja através de twitter, e-mail ou até pessoalmente. Editores participam de foruns e concedem notícias de primeira mão a alguns blogs conhecidos (e a um ou outro desconhecido, como o meu! XD), então o que justifica essa necessidade de pessoas nas sombras com diversos segredos que não podem ser revelados, ocultando-se atrás de nicks e avatares inindentificáveis? Nossa, estou no mundo de Shadowrun e não sabia?

Na boa, meu caros! Todo mundo que conheço tem um nome e sobrenome, então por que vou dar trela para pessoas chamadas "um amigo meu", "um camarada que conheço" ou "um funcionário que não posso dizer o nome"? Não é melhor ir atrás de quem realmente sabe? Essa pessoa deve ter um nome...










2 comentários:

fabiosooner disse...

Se for olhar bem, esse sempre foi o tom das críticas à Devir - mesmo quando ela fez por merecer no passado. E assim vai continuar sendo, para sempre, quer a Devir acerte, erre ou não faça absolutamente nada.

Em qualquer país sério e com gente que recebeu um mínimo de educação, um sujeito que solta um "ouvi uns boatos" nunca seria levado a sério. Aqui, não só dão ouvidos como ainda espalham adiante com status de verdade (se pelo menos todos os "retransmissores" também dissessem que "ouviram falar"... Mas nem isso).

Já me convenci de que não tem jeito: o público RPGista mais "hardcore" é pior que tia solteirona. É só fofoca maldosa na janela...

E nem sei porque me dou ao trabalho de comentar. Afinal, como você é casado com alguém que trabalha na Devir, e eu já fiz "meia-dúzia de seis" páginas de tradução pra editora, qualquer coisa que dissermos é dita apenas porque "é de nosso interesse".

Mesmo que nós façamos parte de outra "meia-dúzia de seis" - aquela que *tem nome e sobrenome*, e dá a cara pra bater.

Um abraço, mano.

Jaime Daniel disse...

Quem mandou sua mãe te dar um nome? :D

Abração, Fábio!